Geriatria


A CLÍNICA

De forma inovadora, o Instituto de Medicina do Idoso | IMEDI consolida no Recife, em um só lugar, várias especialidades médicas com foco de atuação em saúde do idoso.

SAIBA MAIS


HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO

Segunda a sexta das 08h às 19h.Estacionamento terceirizado em frente à clínica, com manobrista.

Segunda a sexta-feira08:00 as 19:00
SábadoFechado
DomingoFechado


ESPECIALIDADES

o IMEDI reúne uma equipe interdisciplinar de médicos, terapeutas ocupacionais, fisioterapeutas, educadores físicos, psicólogos, nutricionistas e odontólogos. Todos já com experiência em atuação no cuidado do idoso.

SAIBA MAIS

Geriatria

ENVELHECIMENTO BEM SUCEDIDO:

Na atualidade, é cada vez mais possível envelhecer bem. O médico geriatra exerce uma função importante no gerenciamento da saúde e dos diversos tratamentos do idoso, integrando várias dimensões que influenciam o sucesso do envelhecimento.

Entendendo o envelhecimento bem sucedido e a atuação da geriatria:

– Ausência ou presença de doenças não são os únicos determinantes da longevidade bem sucedida. Um idoso pode até ter doenças não curáveis, podemos trabalhar para que estas condições interfiram o mínimo possível nas atividades cotidianas.

– Nem o geriatra, nem qualquer outro especialista têm o “elixir ou a pílula mágica” do antienvelhecimento. Por isso, nosso foco de atuação é o envelhecimento bem sucedido.

– O acompanhamento médico regular do idoso é importante para identificar problemas crônicos e silenciosos de saúde. Manifestações atípicas ou com poucos sintomas é regra na idade avançada, por isso existe muito subdiagnóstico nesta fase.

– A saída do sedentarismo é importante em qualquer fase da vida, mas, com o passar dos anos, é necessário adaptar as atividades físicas às restrições impostas pelas mudanças físicas. A dieta bem orientada é fundamental para não agravar quadros clínicos e evitar desnutrição. O idoso, principalmente os muito idosos, aqueles com mais de 80 anos, tem grande chance de perder peso às custas de massa magra (músculos), agravando o que chamamos de sarcopenia e levando à síndrome do idoso frágil.

– Devemos sempre recusar os rótulos de “doenças normais da idade”, pois não existem doenças normais, existem patologias mais prevalentes com o envelhecimento. Jamais podemos considerar que um idoso com déficit de memória, depressão, tonturas, tremor, dores crônicas, dentre outras condições comuns nessa fase da vida estão apenas com “sintomas do envelhecimento”, pois assim se incorre em um tipo de preconceito denominado ageísmo ou velhismo.

– Cuidado com a polifarmácia! Muitos remédios não é o caminho da longevidade.

Passar por consultas médicas regularmente é imprescindível. Porém, o ideal, é levar a relação completa de todos os medicamentos em uso. Esta recomendação deve ser seguida à risca para que não haja interação medicamentosa ou interação droga – doença. Estudos conduzidos nos EUA apontam que os efeitos colaterais de fármacos já é a quinta causa de morte entre a população idosa. O bom médico, principalmente o bom geriatra, não é aquele mais medicamentos, mas sim aquele que tem o conhecimento necessário para “enxugar” a prescrição, eleger as prioridades e evitar o uso de medicamentos desnecessários, sem abrir mão dos importantes fármacos e também das medidas farmacológicas que tenham evidências científicas e custo efetividade avaliados para garantir menor mortalidade, mas com qualidade de vida.

Nossos Especialistas

IMG_11

Dr. Alexandre de Mattos

• Formado em Medicina pela UFPE;

• Clínica Médica pelo Hospital Barão de Lucena;

• Geriatria pela Pontifícia Universidade Católica – RS;

• Geriatra Titulado pela Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia /AMB;

• Primeiro colocado nacional na prova de título de especialista em Geriatria;

• Presidente da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia-PE por duas gestões;

• Preceptor de Geriatria do HUOC / UPE – Faculdade de Ciências Médicas;

• Professor da FCM / UPE – Graduação e Pós-Graduação – Geriatria;

• Mestre em Ciências da Saúde – UPE, Linha de Pesquisa – Neuropsiquiatria Geriátrica;

• Titular da Câmara Técnica de Geriatria do CREMEPE;

• Diretor Médico do IMEDI | Instituto de Medicina do Idoso.

IMG_20

Dra. Lílian Karine Neves da Silva

• Graduação em Medicina Universidade de Pernambuco UPE – 2007;

• Residência Médica em Clínica Médica | Universidade Federal da Paraíba UFPB (Hospital Universitário Lauro Wanderley) – 2010;

• Residência Médica em Geriatria | Faculdade de Ciências Médicas • UPE (Hospital Universitário Osvaldo Cruz) – 2013;

• Geriatra Titular pela Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerotologia.

IMG_15

Dra. Michelle Lourenço Fontenele

• Graduação na Universidade Federal do Ceará UFC-Sobral;

• Residência Médica em Clínica Médica na Universidade de Pernambuco – UPE;

• Residência Médica em Geriatria na Universidade de Pernambuco – UPE;

• Residente de R3 Clínica Médica em Medicina Paliativa.

IMG_06

Dra. Alexsandra Siqueira Campos

• Graduada em Medicina pela Universidade de Pernambuco | UPE;

• Clínica Médica pelo Hospital Barão de Lucena;

• Geriatria pela Pontifícia Universidade Católica | RS;

• Geriatra Titulado pela Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia/AMB;

• Mestre em Ciências da Saúde | UPE • Linha de Pesquisa – Neuropsiquiatria Geriátrica;

• Titulo de Especialista em Cuidados Paliativos pela AMB;

• Presidente da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia/PE • Gestão 2012 – 2014;

• Preceptora de Geriatria do HUOC/UPE | Faculdade de Ciências Médicas;

• Titular da Câmara Técnica de Geriatria do CREMEPE.

IMG_10

Dra. Sandra Brotto

IMG_08

Dr. Ivan Barros

• Residência em Clínica Médica e Geriatria | Universidade de Pernambuco – UPE;

• Professor do Curso de Medicina na Uninassau.

Dra. Michele Bautista